Carreira

Como a Inteligência Artificial pode tirar seu emprego

Veja alguns fatores que indicam que sua profissão pode ser substituída em breve

Thoran Rodrigues

 

Inteligência Artificial (IA) é hoje, sem sombra de dúvida, a tecnologia da moda. Praticamente todas as notícias, conferências e discussões relevantes do setor tocam, de alguma forma, no assunto, principalmente para discutir como o mercado de trabalho será afetado pelos seus avanços. Independente das perspectivas otimistas ou pessimistas de quem está participando da discussão, já existe um consenso formado de que praticamente todas as profissões serão profundamente transformadas por essa nova tecnologia.

 

Essa ameaça nem sempre foi verdade. Durante as décadas de 80 e 90, e até o começo dos anos 2000, a área de inteligência artificial passou por um longo período de descrédito, chamado de “inverno da IA”, quando poucos avanços práticos ocorriam, apesar do desenvolvimento teórico seguir em frente. Ao longo desse período, muitas aplicações fracassaram. Atividades como a transcrição de voz para texto, a tradução automática de conteúdo, ou ações mais simples, de tomada de decisão, foram, de uma forma ou de outra, consideradas praticamente impossíveis de serem automatizadas.

 

Duas tendências, no entanto, mudaram essa realidade. A primeira foi a explosão da quantidade de dados disponíveis para a construção de modelos. Seja a partir de conteúdo colocado livremente na web, como a Wikipedia, traduzida em dezenas de idiomas, ou de sites individuais, geralmente presentes em algum idioma local e no inglês, ou a partir de conteúdo carregado por usuários em plataformas específicas, como vídeos no YouTube com a legenda digitada de forma sincronizada com o áudio, ou fotos rotuladas pelos usuários, salvas na nuvem. Cada nova informação é um dado que passou a estar disponível para o treinamento de modelos capazes de executar tarefas complexas.

 

A segunda tendência foi o crescimento exponencial do poder computacional disponível às empresas, em função do surgimento da computação na nuvem. Uma das maiores dificuldades do processo de treinamento dos modelos de inteligência artificial, depois da disponibilidade de informações, é a complexidade computacional desse processo, que exige muitos recursos. Até o advento da computação na nuvem, poucas empresas tinham acesso aos recursos necessários para treinar modelos realmente sofisticados. Hoje, no entanto, já é possível, para praticamente qualquer empresa, não só ter os recursos necessários, mas, também, pagar por eles apenas pelo tempo em que são necessários, sem nenhum investimento inicial ou desperdício de recursos.

 

Quer continuar lendo?