7 livros para você mergulhar na Transformação Digital

Entenda as tecnologias disruptivas e veja como elas se encaixam na sua empresa

Silvia Bassi

20/02/2019

Um dos desafios de lidar com os novos negócios no século 21 é separar o ruído da informação, especialmente quando se trata de entender as tecnologias disruptivas, aquelas que compõem a trama da transformação digital, e ver como elas se encaixam na estratégia corporativa e na cultura da empresa.

 

Bill Gates, o fundador da Microsoft, tem um método sensacional para manter-se atualizado que usa desde 2005: duas vezes por ano ele tira uma “think week” (semana para pensar), geralmente em um chalé nas montanhas perto de Seattle, isolado do mundo, para onde carrega uma pilha de livros. Suas únicas atividades são ler e pensar.  Os melhores livros entram nas suas famosas listas de recomendação de leitura, e o resultado dessas reflexões fez dele o bilionário filantropo que é hoje.

 

Você talvez não consiga tirar uma semana de férias para pensar em um chalé nas montanhas na costa do Pacífico, mas pode, quem sabe, dedicar uma semana para pensar e ler os sete livros indicados neste post. Eles foram garimpados em diferentes listas de recomendação de melhores livros sobre tecnologias emergentes, inovação e transformação digital, escolhidos pelo seu foco em negócios ou em marketing.

P.S: todos os livros podem ser comprados na Amazon.com.br, impressos ou em formato digital para Kindle, que você pode ler no aplicativo no smartphone, tablet ou computador pessoal.

 

Boa leitura!

 

1) Non-Obvious 2019: How To Predict Trends and Win The Future – Rohit Bhargava (Ideapress Publishing, Dezembro 2018)R$ 66,27 na Amazon.com.br (gratuito no Kindle Unlimited)

 

“Este é um livro sobre aprender a prever o futuro”. O especialista em marketing e inovação, fundador da Non Obvious Company e professor da Universidade de Georgetown, Rohit Bhargava, explica assim o seu livro Non-Obvious 2019. Desde 2011, quando publicou a primeira edição, Bhargava e sua equipe fazem a curadoria de 15 tendências não óbvias de comportamento e inovação em categorias como Cultura, Comportamento do Consumidor, Marketing, Social Media, Mídia e Educação, Tecnologia, Design e Economia e Empreendedorismo.

 

Mais do que apenas reunir as previsões geradas por seu método único de curadoria, Bhargava se propõe a treinar o leitor para ser um speed understander (entendedor veloz) e enxergar coisas que os outros deixam passar, identificando tendências não óbvias sobre o presente acelerado que vão afetar o seu futuro de curto prazo.

 

Esse é um aspecto importante do modo de pensar de Bhargava: ele garimpa comportamentos e movimentos não óbvios que sinalizam mudanças importantes nos negócios para agora. Ele argumenta que procurar e interpretar os sinais de mudanças de um futuro que está se formando agora é um trabalho que afeta positivamente marcas e consumidores no curto prazo. Alguma coisa ele deve estar fazendo de certo: seus livros já foram lidos por mais de um milhão de pessoas e ele continua nas listas de best-sellers de negócios e marketing.

 

 

 

2) Reinventing Capitalism in the Age of Big Data – Viktor Mayer-Schönberger,‎ Thomas Ramge (Basic Books, Fevereiro 2018) – R$ 87,61 na Amazon.com.br

 

Os dados tornaram-se centrais para os negócios, mesmo para as empresas que não trabalham diretamente com eles. E são considerados o recurso mais valioso do mundo, superando o petróleo. O que estamos testemunhando, dizem os autores do livro Reinventing Capitalism in the Age of Big Data (Reinventando o Capitalismo na Era do Big Data), é o advento de uma economia em que os dados são mais importantes que o capital, criando “uma reorganização fundamental da nossa economia”.

 

Mayer-Schonberger é professor de Governança e Regulamentação da Internet na Universidade de Oxford, e Ramge, um jornalista de tecnologia alemão. Para eles, o big data (bancos de dados estruturados e não estruturados, analisados por algoritmos cada vez mais complexos) dá poder a empresas de todos os tamanho e dá vantagem para as pequenas empresas sobre a corporação tradicional. Quanto mais dados você tiver, mais a Inteligência Artificial poderá aprender a melhorar seus algoritmos, por exemplo. E quanto melhores forem seus algoritmos, maior a probabilidade de você entregar o que os consumidores estão realmente procurando. As empresas ricas em dados ficarão mais ricas.

 

 

 

3) Subscribed: Why the Subscription Model Will Be Your Company’s Future — and What to Do About It – Tien Tzuo (Portfolio/Penguin, 2018) – R$ 49,90 na Amazon.com.br

 

Tien Tzuo, author do livro, é fundador de CEO da Zuora, uma empresa que cria software para gerenciar todos os tipos de serviços de assinatura. O livro foi escolhido como um dos melhores de 2018 pela Strategy & Business porque toca em uma tendência crescente: modelos de assinatura em negócios nunca antes imaginados. Até pouco tempo assinávamos revistas, jornais e, vá lá, itens como vinho ou cerveja. Mas agora os consumidores podem, e querem, assinar coisas muito diferentes como maquiagem (Birchbox), lâminas de barbear (Dollar Shave Club), roupas (Stitch Fix), comida (HelloFresh), meias (Sock Panda), and até voos (Surf Air). Sem falar nos serviços de assinatura de streaming como Netflix e Spotify.

 

Tzuo argumenta que as empresas hoje se comunicam com seus consumidores por experiências, não mais por anúncios da marca. E o que melhor substitui o marketing tradicional? Um modelo de relacionamento contínuo que garante o engajamento do consumidor com as marcas combinando atenção com receita recorrente da venda por assinaturas. Se para o consumidor a assinatura é vantajosa preço, regularidade, qualidade e facilidade para as empresas o modelo é ainda mais valioso, porque gera dados que permitem entender o consumidor e afinar as ofertas de produtos e novos desenvolvimentos, contando com a vantagem do fluxo de receita recorrente que pode impactar positivamente os negócios.

 

Entender esse modelo é entender os negócios do Século 21, no qual as empresas deixam de ser fabricantes para se tornarem provedores de serviços e experiências, sejam elas montadoras de veículos ou fabricantes de biscoito.

 

 

 

4) Killing Marketing: How Innovative Businesses Are Turning Marketing Cost into Profit – Joe Pulizzi e Robert Rose (McGraw-Hill Education, 2018) – R$ 97,65 na Amazon.com.br

 

Joe Pulizzi e Robert Rose são autores conhecidos no cenário de conteúdo de marketing com seu livro clássico de 2011 Managing Content Marketing. Agora, os dois trabalham para destruir a ideia de que marketing tradicional é um centro de custos.

 

A proposta do livro é mandar para o matadouro esse marketing operacional, que não é estratégico, nem alimentado por insights, nem inovador. O que nasce no seu lugar é uma nova versão reestruturada com foco em inovação e ruptura. O marketing que Pulizzi e Rose advogam entende as tendências de mídia e monetização e transforma o departamento que antes era de custos em uma área geradora de lucros.

 

 

 

5) The Model Thinker: What You Need to Know to Make Data Work for You – Scott E. Page (Basic Books, 2018) – R$ 44,23 na Amazon.com.br

 

De nada adiantam dados e números se você não sabe tirar deles a sabedoria. O livro O Pensador Modelo: o que você precisa para fazer os dados trabalharem para você, escrito pelo cientista social norte-americano Scott E. Page, é um guia que apresenta modelos matemáticos, estatísticos e computacionais, ensinando como usá-los, com a ambição de transformar qualquer um em gênio do analytics.

 

Page mostra ao leitor como aplicar múltiplos modelos para organizar os dados, fazer escolhas mais espertas e obter previsões mais acuradas e design mais robusto. O Model Thinker pretende, no fim das contas, ser um kit de ferramentas para pessoas de negócios, que ajuda a pensar mais claramente sobre os dados e usá-los como vantagem competitiva. Não por acaso, Page é responsável pela série de vídeos educativos online “Understanding Complexity”, da Teaching Company, e pelo curso online “Model Thinking”, oferecido pelo Coursera.

 

 

 

6) AIQ: How People and Machines Are Smarter Together – Nick Polson and James Scott  (St. Martin’s Press, 2018) – R$ 46,67 na Amazon.com.br

 

Inteligência Artificial (I.A) é matéria obrigatória para empresas que querem sobreviver e prosperar no Século 21. Esse livro, escrito por dois estatísticos da Universidade do Texas e da Universidade de Chicago, se propõe a explicar como a I.A funciona com uma linguagem extremamente acessível, sem fugir da discussão dos seus riscos. Eles deixam de lado equações muito complexas e apostam em histórias para desmistificar essa tecnologia e ajudar o leitor a entender seu funcionamento e seus impactos.

 

Os capítulos abordam diferentes processos importantes da IA usando exemplos de histórias reais de sua aplicação para que fiquem mais inteligíveis para nós, seres normais. Dessa forma, ajudam o leitor a captar a importância da tecnologia e a compreender a amplitude do seu impacto nos negócios com insights das vantagens reais da aplicação.

 

Ao mesmo tempo, alertam para os riscos dos algoritmos criados com vieses cognitivos e de modelos equivocados de Inteligência Artificial e para o erro de pensar que ela pode resolver sozinha os problemas da humanidade. A abordagem é a mais inteligente possível: problemas criados pelo homem são problemas que só o homem consegue resolver, eventualmente com a ajuda das máquinas. “Parece que dependemos das máquinas para tudo hoje em dia. Mas a verdade é que elas dependem muito mais de nós”.

 

 

 

7) The Truth Machine: The Blockchain and the Future of Everything – Michael J. Casey e Paul Vigna (St. Martin’s Press, 2018) – R$ 44,90 na Amazon.com.br

 

No livro A Máquina da Verdade: A Blockchain e o Futuro de Tudo, dos jornalistas de economia Michael J. Casey e Paul Vigna, há uma abordagem muito útil sobre o que é a tecnologia de blockchain e o que poderíamos esperar dela.

 

Blockchain é, em essência, um livro-razão (ledger) distribuído e seguro por criptografia, que pode registrar transações de todos os tipos em uma cadeia de relacionamentos entre entidades. Em vez de residir em um servidor centralizado, existem cópias do ledger em todos os computadores com acesso a ele. Toda transação é instantaneamente visível e não reversível. E todas as transações precisam ser verificadas e validadas pelo sistema como um todo antes que possam se tornar parte da blockchain. Os eventos que acontecem na blockchain são, portanto, transparentes, seguros e indeléveis você não pode voltar e reescrever o histórico depois que algo aconteceu. É por isso que Casey e Vigna chamam isso de máquina da verdade.

 

A promessa do blockchain, segundo os autores, é poder solucionar uma série de problemas substantivos no mundo real e, eventualmente, ajudar a refazer a sociedade como um todo. É uma visão mais romântica, e os jornalistas não negam que sejam fãs da tecnologia, abordando a aplicação dos ledgers abertos, como o bitcoin, por exemplo, que permitem a qualquer pessoa, em tese, participar com um computador. Ou prever sistemas de pagamento peer-to-peer criados em blockchain, que permitiriam que as pessoas trocassem dinheiro sem ter que passar por intermediários, como empresas de cartão de crédito.

 

Mas o livro aborda muito bem as aplicações da blockchain nos chamados sistemas de contabilidade autorizados, que operam dentro e entre corporações tradicionais e que, em um futuro próximo, devem ganhar volume. Como, por exemplo, agilizar negociações de ações e os pagamentos interbancários, que poderiam processados ​​em tempo real, em vez de levar de dois a sete dias, como agora.