As inovações preferidas das empresas em 2018

Conheça as tecnologias que estão em alta ou em baixa na agenda dos CIOs
01/04/2019

É inegável que o relacionamento entre a empresa e o consumidor está cada vez mais digital. E sobreviver a esta nova era vai depender da capacidade das companhias de inovar e se reinventar. Essa reinvenção passa necessariamente pela implementação de novas tecnologias. Sabendo da importância estratégica da inovação em seus negócios, as organizações estão selecionando as novas tecnologias que são prioridade dentro de suas estratégias. A pesquisa “Antes da TI, a Estratégia” realizada com CIOs das maiores empresas do país, revelou quais os conceitos foram avaliados com maior e menor probabilidade de receber investimentos durante o ano de 2018. 

 

Segundo o estudo, as 4 soluções tecnológicas que as empresas tinham a menor intenção de investir durante o ano passado (2018) eram Blockchain, BYOD (Bring Your Own Device), Telepresença (solução de comunicação de vídeo em alta definição) e Realidade Virtual/Aumentada. Confira os detalhes no gráfico:  

 

 

É interessante observarmos que, enquanto 95% das empresas de TI e negócios nos Estados Unidos autorizam que seus colaboradores levem e utilizem seus próprios aparelhos móveis — de acordo com estudo realizado pela Cisco Horizons IBSG — o que mostra a maturidade dessa prática (ao menos dentro deste setor), BYOD é segunda tecnologia que menos as empresas brasileiras pretendiam investir até o final de 2018. 

 

Mesmo que o BYOD traga benefícios já comprovados como aumento da colaboração e da produtividade e redução dos gastos com computadores e periféricos, essa ainda não é uma realidade nos ambientes empresariais. Já que a mesma pesquisa apontou que 65,5% ainda pretendem investir em dispositivos como Notebooks, Tablets e Computadores.  

 

Por outro lado, a pesquisa também apontou as inovações que as companhias tinham mais probabilidade de investir em 2018: oas quatro primeiras posições do ranking vão para Business Inteligence/Data Warehouse, Cloud Computing, dispositivos eletrônicos como notebooks, tablets e computadores e Analytics/Big Data. Confira os números no gráfico abaixo:

 

 

O primeiro e o quarto lugar do ranking sugerem que as organizações estão interessadas em investir em tecnologias que possibilitem o uso de dados para direcionar suas ações estratégicas (BI/Data Warehouse e Analytics/Big Data).  Possivelmente, as companhias estão tirando proveito do volume de informações nunca antes visto que os dispositivos móveis, a Internet das Coisas e os sites e aplicativos oferecem.  É fato: ganho de competitividade será maior para as empresas que souberem aplicar os dados a seu favor.

 

Outro dado que reafirma o avanço da utilização da análise de dados nas empresas é o a alta propensão dos CIOs em investir em computação na nuvem (69,4%). Afinal, não existe Big Data sem Cloud. Os servidores, bancos de dados e redes virtuais podem auxiliar no armazenamento da grande quantidade de informações provenientes de estratégias de Big Data. Afinal, atualmente são transmitidos cerca de 2,2 milhões de terabytes em dados todos os dias, número que tende a subir para 40 trilhões de gigabytes até 2020, segundo Gartnernão é viável pensar em armazenar e processar estes dados utilizando apenas servidores físicos

 

E quanto as outras tecnologias que não estão recebendo investimentos atualmente? Será que existe alguma razão para alguns assuntos ainda não estarem nessa lista? Em alguns casos, o motivo pode ser a falta de informação aprofundada  e conhecimento. Inteligência Artificial, Blockchain, Big Data e Internet das Coisas estão entre as inovações apontadas pelos CIOs como os tópicas que ainda demandam mais informações antes de entrarem na lista de prioridades.

 

Um ponto interessante foi a presença da tecnologia Big Data/Analytics tanto no topo do ranking de inovações que mais receberam investimentos até 2018 quanto na lista das tecnologias que as empresas ainda precisam conhecer mais antes de investir. Entenda melhor este cenário no gráfico abaixo:

 

 

Resta saber se uma possível busca por novos conhecimento dentro destes assunto pelos profissionais de TI, ao longo de 2019, poderá mudar os focos de investimento em tecnologia nos próximos anos. Na dúvida, melhor garantir sua busca por informação desde já.