Futurismo

Brasileiros são os mais preocupados com impactos da tecnologia em suas carreiras

Pesquisa mostra que maior parte (64%) ainda prefere as instituições de ensino tradicionais para buscar qualificação para este novo cenário

Brasileiros são os mais preocupados com impactos da tecnologia em suas carreiras

compartilhar:

Os profissionais brasileiros são os mais preocupados com os possíveis impactos das novas tecnologias em suas carreiras, segundo um  estudo do Boston Consulting Group (BCG) realizado em parceria com a The Network. No total, 65% dos brasileiros entrevistados acreditam que a ascensão de automação, inteligência artificial e robótica, entre outras inovações, irão afetar as suas profissões nos próximos anos. O Brasil foi o líder em respostas afirmativas nesse quesito, ficando bem acima da média global (49%).

 

Como consequência, o Brasil é também um dos países onde mais trabalhadores reservam tempo para se capacitar para o mercado futuro: 74% dos brasileiros dedicam parte de seu tempo se capacitando para os possíveis impactos da tecnologia e da globalização em suas carreiras. O Brasil é 11º da lista global. Na média, 65% dos entrevistados afirmaram ter a mesma aplicação.

Segundo a pesquisa, 74% dos brasileiros dedicam parte de seu tempo se capacitando para os possíveis impactos da tecnologia em suas carreiras

O estudo contou com a participação de mais de 366 mil entrevistados – com idade a partir de 20 anos – de 197 países. Ele também aponta que as habilidades que os brasileiros consideram mais importantes para as suas carreiras no futuro são comunicação, adaptação e liderança.

 

Mudança de carreira 

 

A mesma pesquisa aponta que a América Latina é a região onde os profissionais se mostram mais dispostos a se requalificar com o objetivo de ter uma nova profissão (84%). Os principais responsáveis por essa posição são o México – onde o percentual chega a 90% – e países do Caribe. O Brasil – onde 75% dos respondentes afirmaram estar pré-dispostos a mudar de carreira – foi o 35º nesse quesito na lista global.

 

 

Os profissionais mais propensos a mudar de área trabalham atualmente com: Vendas (75%), Administração (73%) e Serviços (73%). Os menos propensos atuam nos setores: Ciência (59%), TI (59%) e Jurídico (58%). Quanto maior o nível de escolaridade, menor é a disposição dos profissionais em mudar de carreira.

Newsletter

Inscreva-se e receba somente o que importa sobre transformações digitais

Obrigado!

Quer acesso ilimitado a todo conteúdo da IT Trends?

Quero aproveitar meu 1º mês por R$1,97 Cancele quando quiser sem burocracia

 

Tendência autodidata

 

A maioria dos entrevistados prefere se capacitar por conta própria (63%) ou no trabalho (61%). A tendência à qualificação autodidata é reforçada por outros dois quesitos: 30% utilizam plataformas educacionais online e 24%, aplicativos móveis. No Brasil, a tendência segue sentido oposto: a maior parte (64%) ainda prefere as instituições de ensino tradicionais; na sequência aparecem capacitação por cursos online (49%) ou no próprio trabalho (48%).