Cibersegurança deve gerar 3,5 milhões de empregos até 2021

Engenheiros membros do IEEE, organização profissional dedicada ao avanço da tecnologia em benefício da humanidade,  acreditam na urgência da formação de profissionais neste setor
14/01/2020

O surgimento de novas tecnologias como 5G, Internet das Coisas (IoT), veículos autônomos e indústria 4.0  está levando ao aumento da demanda de profissionais de cibersegurança. Segundo estimativas da Cybersecurity Venture, líder mundial em pesquisas de cibereconomia global, o setor deverá gerar de 3,5 milhões postos de trabalho até 2021. Somado a esses fatores, a entrada em vigor em agosto da lei 13.709/18, conhecida por Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD),  contribuirá para o aumento da demanda no Brasil.

 

 

Diante deste cenário, os engenheiros  Marcos Simplicio e Raul Colcher, membros do IEEE, organização profissional dedicada ao avanço da tecnologia em benefício da humanidade,  acreditam na urgência da formação de profissionais neste setor para resolver problemas de segurança e privacidade.

 

 

+ 10 razões para aprender a programar

+ 7 habilidades para sobreviver ao futuro do trabalho

 

 

Professor do Departamento de Engenharia de Computação e Sistemas da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP), Marcos Simplicio defende que haja profissionais cobrindo todo o ciclo e etapas de um sistema de segurança. “É importante ter um designer para criar um sistema robusto; um programador de segurança para evitar vulnerabilidades e um administrador de sistema para elaborar um ambiente seguro. Todas essas funções estão conectadas e a falha de uma delas pode prejudicar o sistema inteiro”, afirma.

 

 

 

 

Para Raul Colcher, sócio e presidente da Questera Consulting, as habilidades necessárias para um profissional de cibersegurança são multidisciplinares e compreendem técnicas específicas do setor, como conhecimentos e treinamentos básicos sobre tecnologias e soluções emergentes que caracterizam o novo ambiente de redes, sistemas e serviços. Ademais precisam estar familiarizados com os problemas e as características dos setores e aplicativos que irão proteger. “Por fim, eles precisam de um entendimento sólido dos problemas administrativos, comportamentais e regulatórios que normalmente estão presentes em incidentes e ameaças de segurança e privacidade”, conclui.

 

 

Receba somente o que importa sobre transformações digitais